as palavras estão aí, uma a uma, que dirá minh'alma . Feliz Vida Para meus leitores do Brasil, Estados Unidos, Canadá, França, Cingapura, Ucrânia, Argentina, China, Rússia, Espanha, Portugal, Alemanha, Dinamarca , Reino Unido, Eslovênia, Itália, Mexico e Croácia













segunda-feira, 24 de março de 2014

quimeras

estou eu a te olhar
e te ver chegar é tão seguro
que esqueço que vejo o passado
por entre sonhos e fados

o beijo que te dei
foi tão real
que senti medo
em teu olhar

e eis que esqueço
mais uma vez
que foi só a volta
pro passado
de uma mente
que sente a ausência
do  cheiro
que tua espera exala

fecho meu espaço
e hodiernamente escapo
pros teus braços
meu tudo
meu colo
meu cansaço

terça-feira, 11 de março de 2014

Ladeiras


Terezas
ladeiras e músicas
lagoas pequeninas
lagoinhas
e tua boca nua
Suzana e ruas
pra se namorar no trigo de um rei
nada já que na lua não há mar
e um grande bem e um violão
um beijo
pai e mãe
e uma morena do cor do Brasil
e uma dor de uma ilha pernambucana
de um lábio com gosto de céu
cá entre estou em um dia de abril
oito rosas marias
um dia de sol em minha vida
e quem fugiu ressurgiu
numa noite de verão
em qualquer São João
com salsa e manbo
luz do mar e lucila de varoniladeus
de mais e mais eloy baby
ioná a dama do mar
e fugiu pro mato
lá além do ororubá
mas rosa maria é o meu grande bem
alma gêmea que ruiu
jogos de amar
carícias
e o meu mundo num vai e vem
Waine o amor que giga nunca sentiu igual
talvez uma luz se abrirá
talvez a índia que Paula bela
rua me deu
em amores ilhas e quintais
jovens demais
flores de lácio núbias e jane las
carmins
pesqueiras
ladeiras
ladeiras

O invisível de nós dois


a espera longa maculou o sonho
teu sorriso e a minha alegria
não pude te reter nos lábios e braços
mas
ainda assim
não fui infeliz
e não haverá respostas
na porta para o universo
nem em meus versos
mas ainda assim
o nosso amor vai além do efêmero
e existiu
o tempo suficiente para ser feliz
digo te
amor
continuo amando
o invisível de nós dois

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A dor que não se mede

Qual a medida de uma vida?
um segundo
tudo termina
qual o valor do viver?
um segundo
toda uma vida
em outro rumo

Qual Senhor
o tempo de uma vida?
um segundo
um outro mundo

Toda a construção rui
todos os planos
todos os segredos
toda dor
em um segundo

Qual o termo de uma vida?
Senhor do Universo
Qual a vida que escolhestes
para Teus filhos

em um segundo
se é tão sutil
mas  é eterno
aquele átimo
da dor que não se mede

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

TERNURA




Descanso da paixão
porto
solidão
colo dos amores
espaço
refrão

silêncio dos espasmos
espera
reflexão
boca da lira
espaço
refrão

memória dos amantes
procura
questão
desejo insano
espaço
refrão

prazer depois do prazer
gosto
paixão
colo dos amores
espaço
questão

idilio




quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Meu Tempo superficial

Escrever  é uma questão de procura
e existe um tempo superficial nesta busca
que torna a alma pobre na cobiça e não reduz as posses
mas limita o desejo sano das descobertas
Esse vazio das certezas deprime a sentinela
e não existe ternura no descanso da espera
apenas se angustia a ansiedade pelo fim da responsabilidade
e o novo saber  não repara o medo da próxima hora


idilio